ÍNDIA: mobilização violenta anti-cristãos em Telangana

Arquivado em Destaque

A perseguição dos cristãos na Índia continua a crescer de forma dramática. Em apenas um único fim de semana foram registrados quatro casos de perseguição, incluindo a destruição de uma igreja e queima de centenas de Bíblias. Os ataques foram relatados pela Agência de Notícias Cristãs International Christian Concern (ICC) e aconteceram no estado indiano de Telangana. Por um lado, esses ataques deixaram os cristãos locais em estado de pânico, por outro estão ainda mais comprometidos com a fé cristã.

De acordo com cristãos de Daulthabad, subúrbio a noroeste de Hyderabad, um grupo de 60 radicais pertencentes ao grupo hindu Vahini reuniu-se no domingo, 28 de janeiro, e começou a aterrorizar a comunidade cristã. A multidão atacou pela primeira vez a Igreja de Gilgal Prardhana Mandiram, onde os cristãos estavam reunidos para o culto. Quando se aproximaram, a multidão chama “Jai Sriram” para aterrorizar os cristãos. Em seguida, a multidão forçou a entrada na sala da igreja onde os adoradores estavam reunidos.

Neste ponto, os radicais entraram em confronto com membros da igreja que terminaram com o pastor da igreja e sua esposa sendo atacados e acusados de praticarem conversões ilegais. Os radicais depredaram a igreja antes de irem ao seu próximo alvo.

“Esta foi a primeira vez em 12 anos em que nosso culto foi atacado”, disse à ICC Aruna Sudhakar, esposa do pastor da Igreja Gilgal Pradhana Mandiram. “Seguir em frente será muito difícil. Não sabemos se teremos até mesmo um culto de adoração no próximo domingo. Mais de 80 pessoas estavam frequentando os cultos. Todos foram machucados e estão muito perturbados, porém estamos determinados a atravessar esse caminho difícil “.

A Igreja do Evangelho da Fé Emmanuel, onde mais de 30 pessoas adoram em um galpão improvisado, foi o próximo alvo da multidão. Ali, a multidão atacou a igreja e, praticamente, derrubou o galpão usado para o culto.

O ataque começou com a multidão agredindo o pastor da igreja, Pastor Emmanuel. Ao baterem e abusarem do pastor Emmanuel, a multidão exigiu saber se o pastor tinha permissão para dirigir a igreja. À medida que a multidão deslocou sua atenção para o resto dos cristãos reunidos para a adoração, eles exigiram que esses cristãos entregassem sua identificação para provar que eles são cristãos. Eles também destruíram instrumentos musicais, microfones e outros pertenes da igreja.

“O desenvolvimento de campanhas de ódio anti-cristãs em nossa região é muito preocupante”, disse o pastor V. Andrew, cuja igreja foi a terceira a ser atacada pela multidão de radicais em 28 de janeiro. “Felizmente, no momento em que esses bandidos vieram para a nossa igreja, o culto já tinha acabado e os irmãos conseguiram dispersar”.

“Eles me ameaçaram”, explicou o pastor Andrew, compartilhando detalhes do ataque da multidão em sua igreja. “Eles me disseram para parar de adorar na aldeia e me ameaçaram com terríveis consequências se continuar o culto”.

Quando perguntado sobre o que ele fará em resposta a essas ameaças, o Pastor Andrews simplesmente disse: “Não estamos desistindo por nenhum meio. Estamos prontos para enfrentar os desafios futuros “.

Semelhante aos ataques da máfia em Daulthabad, uma multidão de radicais hindus queimou publicamente mais de 700 Bíblias na aldeia de Singotam, também localizada em Telangana, em 26 de janeiro. Além de queimar as Bíblias em público, no meio do dia, os radicais publicaram vídeos do ataque às mídias sociais.

De acordo com o Rev. Ronald John, um líder cristão da região, nove cristãos pertencentes a Gideon International foram atacados enquanto retornavam da distribuição do Novo Testamento nas escolas de Singotam. A multidão parou o carro, tirou todos os cristãos do carro, descarregou as Bíblias e as queimou até virarem cinzas.

De acordo com o Rev. John, a multidão também acusou os cristãos de se engajarem em conversões ilegais e de espalhar uma religião estrangeira. Os radicais terminaram o assalto ao apresentar uma queixa contra os cristãos na delegacia de polícia local, acusando-os de conversões forçadas.

“Se os goons podem queimar as Bíblias à luz do dia e permanecer livres, há uma clara violação dos direitos dos cristãos neste país”, explicou o Rev. John. “O direito à liberdade religiosa é um direito fundamental dado a todos os cidadãos desta nação pluralista. Exigimos a autoridade responsável para agir e implementar a lei com imparcialidade neste caso “.

A perseguição dos cristãos na Índia continua a aumentar tanto na intensidade quanto no número de incidentes. Embora ainda seja cedo, muitos cristãos temem que 2018 possa ser outro ano difícil para os cristãos e a liberdade religiosa na Índia. No entanto, muitos cristãos permanecem fortes e comprometidos em sua fé. Para muitos, o pensamento de renunciar ou abandonar sua fé é impensável. Como Aruna Sudhakar compartilhou: “Não há volta, mesmo que nos custe nossas vidas”.

Seja a voz você também e compartilhe

Google1GoogleYahooBlogger

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *